Concurso de Composição para Orquestra de Sopros - 7ª edição
Fundação INATEL | Banda Sinfónica do Exército
7ª Edição 2018
Concerto dos laureados - 18 de junho, no Teatro da Trindade, em Lisboa às 21h30




João Malha - 1.º Prémio



João Malha nasceu em Lisboa em 1991. Iniciou os estudos de piano com o professor Bruno Sales, na escola Haja Música, em 2002, tendo prosseguido com o Maestro António Ferreira.
Concluiu o 8º grau em piano no Conservatório Regional de Palmela com 17 valores, tendo sido aluno do Professor Luís Pinto. Frequentou a escola de Jazz Luiz Villas-Boas (Hot Club Portugal), com os professores César Cardoso, Pedro Nobre e Daniel Bernardes.
m paralelo, tirou a licenciatura em Biologia na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. Esteve ainda um ano em aulas particulares de direção de orquestra com o Maestro Jean-Marc Burfin. Estudou no Curso de Direção de Orquestra de Sopros na Escola Superior de Música de Lisboa, orientado pelo Professor e Maestro Alberto Roque.
Tem realizado, frequentemente, classes de aperfeiçoamento de Direção de Orquestra, com maestros nacionais e internacionais, entre os quais Jean-Sébastien Béreau, Frank de Vuyst, José Rafael Pascual-Vilaplana, Mark Heron, Felix Hauswirth, Linda Moorhouse, Craig Kirchhoff, Odd Lysebo, Shawn Smith e Dario Sotelo, tendo trabalhado já com a Banda Sinfónica do Exército, a Banda Militar do Porto e a Banda Sinfónica da PSP.
Além de professor de piano, em várias escolas de música do distrito de Setúbal, é convidado regular para acompanhar cantores líricos e de jazz, instrumentistas, orquestras e big bands e outros eventos.
ertenceu também ao coro Jazz Cantat, sob a direção de Tiago Marques. É ainda maestro assistente do compositor e Maestro Jorge Salgueiro no coro Setúbal Voz.
Desenvolveu, desde muito jovem, a vertente da composição, inicialmente escrevendo apenas pequenas peças para piano. Mais recentemente, tem vindo a compor peças de maiores dimensões e para outros agrupamentos, música de câmara e orquestras.
É vencedor do 2.º prémio no VI Concurso Nacional de Composição Banda Sinfónica Portuguesa, em 2018, com a peça APOTEOSE e do 1.º prémio na 7ª edição do Concurso de Composição para Orquestra de Sopros (Fundação INATEL e Banda Sinfónica do Exército), em 2019, com a peça JAZZ SUITE.

Rui Pereira - Menção Honrosa




Rui Pereira nasceu em Fermentelos, no distrito de Aveiro, e iniciou os seus estudos musicais no Conservatório de Música Distrital de Aveiro e posteriormente no Conservatório de Música de Águeda. 
Em 2007, após concurso nacional, ingressou na Banda da Armada Portuguesa. 
Em 2012 concluiu o curso profissional na Escola de Música do Conservatório Nacional de Lisboa, com o aproveitamento de 18 valores, na classe de Tuba (euphonium) do Professor Nuno Fernandes. 
Ainda na mesma escola em 2010 interpretou como solista, a Fantasia para Euphonium e Piano de Philip Sparke no Auditório do Teatro da Trindade, no âmbito da recepção do prémio dos jovens laureados do curso profissional da Escola de Música do Conservatório Nacional de Lisboa. 
Em 2012 envolveu-se num projecto com quatro amigos, criando um grupo de metais graves designado Stereophonicsound, ficando a seu cargo o desenvolvimento de orquestrações, arranjos e composições para o grupo. Desenvolveu também, com o mesmo grupo, múltiplas actuações, salientando entre estas o convite para a participação na primeira conferência internacional de tubas e eufónios, organizada pela Associação de Tubas e Eufónios Portugueses, assim como a participação no Festival Internacional de tubas e eufónios realizado em Valência (Espanha), a convite da Asociación Española de Tubas y Bombardinos. 
Em 2015, concluiu a licenciatura em Música na Escola Superior de Música de Lisboa na classe de Tuba (euphonium) do Professor Adélio Carneiro. 
Desde então, frequenta outros cursos de aperfeiçoamento nas diversas áreas musicais, com maior relevância na área da direção de Orquestra de Sopros. 
Desde Novembro de 2018 é o maestro da banda filarmónica de Aveiras de Cima.
Manifesta grande interesse pela composição, e desenvolve atualmente vários projetos também nessa área. 
Em 2019, compôs a obra Afonso de Albuquerque, no âmbito do Concurso de Composição, promovido pela Fundação INATEL e Banda Sinfónica do Exército, tendo sido atribuída a mesma uma Menção Honrosa.


Sinopse do Concurso de Composição para Orquestra de Sopros

Há uma complexa relação histórica entre as bandas militares e civis, sendo as primeiras o modelo por excelência das segundas.
Durante muito tempo o músico militar, depois de desempenhar a sua função profissional, continua, fora do contexto de trabalho a ensinar o solfejo, a despertar o gosto pela música, a dar aulas de instrumento, ou a assumir o papel de maestro da banda filarmónica da sua vila ou cidade. Esta realidade ainda se verifica em alguns casos, nos dias de hoje.

 A colaboração entre as Bandas Militares e a Inatel faz parte da história da Fundação, quer seja na ocupação dos tempos livres através de concertos, ou no incentivo à formação e ao estímulo criativo dos jovens músicos através de Concursos de Composição.
 
Atualmente parceira no Concurso de  Composição para Orquestra de Sopros, a herdeira de uma das mais antigas tradições musicais do Exército Portu­guês, nomeadamente através das históricas Banda de Infantaria 1 e Banda de Caçadores 5, é instituída em 1988, a Banda Sinfónica do Exército. Banda representativa do Exército, compreende instrumentistas de sopro, cordas e percussão com cerca de 80 elementos.
Funciona como Escola Prática de Música do Exército, ministrando cursos e estágios que visam essencialmente a formação e aperfeiçoamento dos militares músicos e clarins do Exército.

A primeira edição do Concurso de Composição para Orquestra de Sopros surgiu em 2012 resultado de uma parceria entre a Fundação INATEL e a Banda Sinfónica do Exército.


Historial das edições:
 
Ano N.º obras a Concurso Prémio
2012 / 1.ª Edição 7 1.º Prémio – “O Viajante”, Pedro Santos.
2013 / 2.ª Edição 9 Não houve atribuição do 1º. Prémio
2014 / 3.ª Edição 12 1.º Prémio – “Poseidon”, Alain Rosa
Menção Honrosa: “Nos Lugares”, Fábio Cachão
2015 / 4.ª Edição 9 1.º Prémio – “Zamora 1143”, Nelson Jesus.
Não houve atribuição da menção Honrosa
2016/ 5.ª Edição 7 Não houve atribuição do 1º. Prémio
Menção Honrosa: “Porto de Nós” , Jorge Portela
2017 / 6.ª Edição                   6 1.º Prémio “Variações Litorais”, Vasco Valente
Menção Honrosa: “Urban Landscapes”, Rodrigo das Neves
2018/ 7.ª Edição 13 1.º Prémio "Jazz Suite", João Malha 
Menção Honrosa: " Afonso Albuquerque, Rui Pereira 



Organização:  Fundação INATEL | Banda Sinfónica do Exército
Mais informações: cultura@inatel.pt